Pesquisar este blog

sábado, 27 de fevereiro de 2010

Multicultural


No pórtico do forte, no desembarque em Morro de São Paulo, um formigueiro multicultural.

Olodum pelas ruas do Pelourinho


Impossível não lembrar da música do Caetano e do Gil, "Haiti":

"E não importa se os olhos do mundo inteiro, possam estar por um momento voltados para o largo, onde escravos eram castigados.

E hoje um batuque, um batuque com a pureza de meninos uniformizados de escola secundária, em dia de parada, e a grandeza épica de um povo em formação, nos atrai, nos deslumbra e estimula"...

Restaurante Odoyá











Para vc ter uma idéia do bom atendimento Odoyá, posto fotos que estavam no celular, do bobó de camarão e da rua onde está localizado o restaurante.

Eu também vou reclamar!!!



Quem vive no Rio de Janeiro e tem que trabalhar no centro da cidade, passa o maior sufoco (literalmente) todos os dias ao utilizar o Metrô.
O metrô carioca hoje é sinônimo de calor, atraso, aperto e mau atendimento.

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

O Quereres

Chico e Caetano, em 1986.

Lembrei do Chico cantando "Hino de Duran", com a Cor do Som: "com seus olhos de dobermannnnnn"

Cair da tarde - Praia do Porto da Barra



Grande hotel da Barra, apartamento 301. Da sacada, o visual da tarde caindo sobre o mar de Salvador.
Fotos by Marcia Azevedo (04/02/10)

Morro de São Paulo











Se vc quer conhecer um lugar capaz de despertar as suas fantasias de um "paraíso perdido", vá até Morro de São Paulo.
Não precisa muito dinheiro, nem muita frescura. É só chegar na estação de embarque dos catamarãs, no cais em frente ao Mercado Modelo, comprar sua passagem e embarcar.
Como eu não conhecia o esquema, paguei mais caro, contratando uma agência (transfer, travessia e guia por R$ 170,00).
A travessia, de duas horas em um catamarã, é cansativa. O mar é "mexido" e se vc não tem uma boa resistência estomacal para altos e baixos, sugiro tomar um "dramin".
Logo que a embarcação deixa Salvador, o mar começa a "engrossar" e são, pelo menos, uma hora, uma hora e dez de muito balanço (ao som de "Cheiro de Amor, "Ivete sangalo" e de "Claudia Leite").
Ao chegar em Morro de São Paulo, o esquema é o mesmo da Ilha Grande: procurar uma pousada. Se vc está com um pouco mais de grana, sugiro o Solar do Morro ou a Pousada Passárgada, ambas na faixa de R$ 200,00/dia (preço para março 2010).
Se vc está pensando apenas em deixar a sua bagagem e passar o dia inteiro na praia e aproveitar a noite, sugiro as pousadas Pérola ou Safira do Morro, ambas na rua da Biquinha (mais ou menos R$ 100,00/dia - preço março 2010).
Depois de deixar as malas, a primeira providência é sair para passear. Se a maré estiver baixa, vá direto pela areia. Na primeira praia, vc vai ficar enlouquecido pela tirolesa (R$ 25,00), uma das maiores que já vi. vc pula do alto do morro do farol e vai terminar dentro das águas do mar (mais de 300 metros!!!)
Na segunda praia, o agito é multicultural: argentinos, europeus e israelenses dividem espaço, entre frescobol, futebol e o freesbee.
No cantão da segunda praia, algumas formações rochosas muito interessantes, que vale o passeio e a foto.
Siga para a terceira praia, onde um banco de areia, numa distancia de 100 metros, chama atenção e desperta o desejo de alugar um caiaque para visitar o lugar. Atenção, se vc for fazer o passeio, tome cuidado com o mar cheio de pedras!!!
Chegando na quarta praia, com a maré baixa, vc vai encontrar - de cara - uma piscina natural. O pessoal local aluga as viseiras para vc poder ficar observando os cardumes passeando ao seu redor.
Comer e beber nas praias é uma questão de sorte. Já nos restaurantes é bem mais tranquilo. Comemos lagosta grelhada, com acompanhamentos, bebemos duas cervejas e um refrigerante, além de uma entradinha ("pesto nordestino"), no restaurante "Casa da Praça" e pagamos menos de R$ 90,00 (em 07 de fevereiro)!
Dica: se vc está tranquilo financeiramente e pode gastar um pouco mais, vá de avião para morro de São Paulo. O voo sai do aeroporto Luis Eduardo Magalhães e custa R$ 225 reais o trecho.

Salvador - Dica de Restaurante - Odoyá

Estivemos em Salvador, na semana passada. Fomos - primeiro - visitar o restaurante "Sorriso da Dadá", nossa opção - em 2009 - para degustar os sabores da culinária baiana.
Pedimos os acarajés "chiques" de entrada e cervejas. A comida continua ótima, mas o atendimento...
Pedimos a conta e fomos até o restaurante Odoyá, que fica na praça defronte à Igreja de São Francisco. Foi uma grata surpresa. O atendimento foi ótimo e a comida excelente!. Comemos um "Bobó de camarão" maravilhoso e, de sobremesa, provamos um doce chamado "Adis Abeba".
Segundo o que o atendente - muito solícito e simpático - nos explicou, a sobremesa - um denso creme de chocolate e licor seria uma herança etíope, uma das mesclas africanas que permeiam a cultura baiana.
P.S.: Logo que vc chegar ao Pelourinho, certamente vc vai receber uma cortesia do restaurante, oferecendo "free caipirinha". Como eu não cobrei, não me serviram. Cobre!

Corcovado




Um dos maiores símbolos do Rio de Janeiro, o Corcovado, encimado pela estátua do Cristo Redentor, sempre vale uma visita.
O trenzinho, que custa R$ 36,00 (ou R$ 25,00, se vc tem mais de 60 anos), repleto de estrangeiros e turistas, faz o carioca (ou quem vive por aqui) sentir-se cheio de orgulho.
Logo ao saír da estação, no Cosme Velho, já se pode observar toda a beleza da mata atlântica preservada. Em alguns pontos, já se antecipa a paisagem, com belos visuais da lagoa.
A passagem pela estação das Paineiras vai dar uma certa nostalgia aos cariocas de outros tempos, pelas ruínas da construção e a lembrança do quanto era bonito e elegante aquele local.
Chegando à estação Corcovado, as melhores surpresas: um elevador nos leva a uma plataforma, de onde se segue por um sistema de escadas rolantes até os pés da estátua do Cristo Redentor.
Visual incrível, viagem fantástica. Lá em cima, porém, tudo é muito caro (da água mineral às lembrançinhas).
(fotos minhas e da Marcinha)

Mil desculpas!!!!

Queridos amigos e seguidores do Blog;
Fiquei ausente durante meses, sem atualizar e - pior ainda - sem responder aos e-mails dos leitores, que me pediram informações sobre as maravilhas de Alagoas (Maceió e Gunga) e de Belém do Pará.
Peço desculpas a todos e recomeço o trabalho de atualizar, pelo menos semanalmente, o Mondo Copacabana.