Pesquisar este blog

sábado, 29 de outubro de 2011

Ciudad del Leste - Só mudou o asfalto...

Como já disse anteriormente, estive em Foz do Iguaçu, pela primeira vez, no final da década de 1970. Lembro de ter atravessado a fronteira de Kombi e desembarcado em uma rua poeirenta, com esgoto correndo a céu aberto, meio favela, meio periferia de qualquer grande cidade brasileira.
Logo de cara, fui abordado por ambulantes, que me ofereciam cocaína e pornografia...
Bem, passados quase quarenta anos, desembarco de uma van dentro do estacionamento de um shopping, quase dentro da aduana paraguaia (que foi paga pelo Brasil, segundo o guia Luiz). Dentro dele, nenhuma grande vantagem, preços especiais...
Saio na rua e sou abordado por ambulantes, que me oferecem ... meias! Sim, meias, uma duzia delas por R$ 10,00...
Sigo em frente e a cantinela dos ambulantes é frenética. Querem porque querem vender as meias. Atravesso a avenida, cheia de taxis e vans oferecendo corridas de volta ao Brasil e passo a entrar no "verdadeiro comércio paraguaio". Lojinhas que vendem produtos de segunda e terceira linha, que são oferecidos por preços melhores na 25 de março ou na Uruguaiana.
Agora não vendem mais cocaína, as ofertas - para o senhor de meia idade que caminha pela calle - são de viagra e pramil, que devem ser produzidos no segunda andar de um daqueles edifícios onde se localiza o "verdadeiro comércio paraguaio"....

Usina de Itaipu - Foz do Iguaçu e Ciudad del Leste

É impressionante a grandeza da obra de Itaipú. Tudo remete ao gigantismo do empreendimento, que com a energia gerada por apenas uma turbina, alimenta todo um país (o Paraguai).

Cataratas do Iguaçu para bebês, idosos e portadores de necessidades especiais

Se você for visitar as Cataratas do Iguaçu, principalmente se estiver em uma excursão e acompanhado por bebês de colo, idosos ou portadores de necessidades especiais, não vá na conversa dos guias, que a trilha que margeia as cataratas é facil e tem "apenas alguns degraus"...
Para um jovem ou um adulto em boa forma, a trilha não é cansativa, nem tem nível de dificuldade elevado. Mas para pais com bebês de colo, idosos e pessoas com necessidades especiais a trilha torna-se uma corrida de obstáculos: são muitas escadas, muito tráfego de pessoas e nenhum lugar para parar. Você tem que estar constantemente em movimento para não atrapalhar quem vem atrás.
Portanto, se você está pensando em conhecer as Cataratas, vá direto para a área de estacionamento dos ônibus, de onde você poderá descer, por elevador ou por rampa, até as quedas, para observar o maravilhoso espetáculo das águas em seu ponto mais alto.
O local possui total infraestrutura, com lojas, bares, restaurantes e banheiros públicos em ótimo estado.
Obs.: Não perca o espetáculo dos quatis, que se acostumaram a ficar perambulando próximos dos visitantes, para pedir comida. Acho um tanto degradante para com os animais, mas eles são muito bonitinhos!

Vale a pena conhecer: Parque das Aves - Foz do Iguaçu

Quando a Madaleine, nossa agente de viagens nos ofereceu o pacote para Foz do Iguaçu, confesso que não fiquei muito animado. Os passeios eram os mesmos de sempre: Cataratas, compras no Paraguai etc.
Além destes, nos foi oferecido uma visita ao Parque das Aves...
Parque das Aves, o que seria esse passeio? Na minha cabeça, uma chatice sem fim. Um bando de gaiolas e um bando de idiotas observando... Qualquer coisa assim.
Qual não foi a minha surpresa ao chegar e adentrar o Parque das Aves!
Vários ambientes, criando ecossistemas diferentes, todos respeitando as características das aves e dos demais animais que ali habitam.

Interessante foi a proximidade e a docilidade da maioria das aves, que se deixa tocar pelos visitantes, ganhando carinho, sem medo, na maior tranquilidade.
No dia da nossa visita, o local tinha, segundo o nosso guia Luiz, "mais argentinos do que gente" e mesmo assim, não se sentia nas aves ou em qualquer outro animal, qualquer sinal de stress.

É um passeio para se fazer com calma. Reserve duas horas ou mais, do seu dia, para visitar os ambientes do Parque. Chama muito a atenção o viveiro das araras, onde as aves fazem rasantes na cabeça dos visitantes por pura diversão



 Outro lugar interessante, é o lago dos flamingos. Depois de um tempo esperando que os flamingos se reproduzissem, descobriram que essa ave precisa de um grande bando para se sentir protegida e acasalar. Os biólogos inventaram então um jogo de espelhos, que dá às aves a impressão de que estão no meio de uma multidão.
Aos poucos, a população de flamingos está aumentando no Parque.
Se você está indo ou planejando ir até Foz do Iguaçu, não deixe de conhecer o Parque das Aves. Vale a pena!!!



Foz do Iguaçu - Um pequeno guia sentimental

Estivemos em Foz do Iguaçu, em setembro passado, para uma visita às cataratas e comprinhas no free shop de Puerto Iguazu (ARG).
Antes dessa viagem, eu estivera em Foz no final da década de 1970, quando era músico, acompanhando a "internacional" Perla, cantora paraguaia que fez (faz) muito sucesso naquela região.
Lembro bem de dois shows que fizemos, onde Perla dividia o palco com dois ícones da canção romântica brasileira, Alternar Dutra e Nelson Gonçalves, que estava - naquela época - fazendo estrondoso sucesso com a música tema da novela "Cabocla".
Não tenho nem uma foto daquela época, só as boas lembranças do pessoal que viajou comigo: Renato Baraldo (guitarrista), o Dirceu (baterista), Iran (empresário) e da Perla (que tiinha um marido chamado João Reinaldo, se bem me recordo).

Esse era um dos posters de divulgação dos shows. O sucesso da época era "Rios da Babilônia"

quinta-feira, 29 de setembro de 2011

Meu vô Paschoal

Voltando ao assunto "fim do mundo": mergulho no túnel do tempo, empurrado pela Paula e sinto que o passado e o futuro se confundem e se misturam.
Pense naquele caleidoscópio, em preto e branco, das aventuras de Tom e Dowge...
Eu e meu avô, andando pela Luiz Anhaia, num dia de verão no início dos anos 60. Ele segura a minha mão e eu, preocupado com o meu futuro (naquele tempo havia o mote "de mil passastes, de dois mil não passaras", que era repetido zilhões de vezes (a arenga da época era católica) pergunto:
- "Vô, o mundo vai acabar no ano 2000?"
E ele respondeu, com toda a segurança e certeza: "Não, o mundo só acaba para quem morre!"
Não lembro se a resposta dele me tranquilizou ou me apavorou ainda mais, pois a palavra morte, para uma criança, é sempre aterradora, com significados diferentes do que pensam os adultos.
Só sei que hoje discordo do bom vô Paschoal. O mundo não acaba para quem morre. Tudo continua em outras dimensões, em outros espaços, de outras formas...

San Martin

Mausoléu de San Martin

Estive na Catedral de Buenos Aires, na véspera do aniversário da independência portenha. Encontrei o mausoléu de San Martin desta maneira. Afinal, para eles, todas as homenagens ainda são poucas para o herói da independência.

terça-feira, 27 de setembro de 2011

O fim do quiosque "Siri Mole"

Sinto muito anunciar que o quiosque "Siri Mole" fechou as portas (literalmente), na praia de Copacabana. Depois de anos fazendo a festa de quem gostava de uma boa comida baiana na beira mar, o "Siri Mole" encerrou as suas atividades em agosto passado.
O quiosque está em obras e deve reabrir em outubro, como um restaurante de comida italiana. Quem, como nós, aprecia acepipes baianos, agora tem que se deslocar até o Arpoador, para saboarear as delicias do "Siri Mole e Cia", agora só no restaurante.

domingo, 25 de setembro de 2011

Mustafá

O árabe da rua Domingos Ferreira.


Vai uma esfiha de verdura (espinafre)? Ou você prefere comer um tabule, um kibe cru, uma kafta?

Se você está em Copacabana, vá direto ao Mustafá, que fica na Domingos Ferreira, ao lado da Pizzaria Caravelle, quase na esquina da Bolivar. Preços ótimos, atendimento carinhoso. Vale a pena.

P.S.: Não peça por telefone, o atendimento é rápido, mas sempre vem faltando alguma coisa ou um item vem trocado. Chato... Esperamos que possamos dar a notícia que melhorou!

Rincão do Tchê

O Mondo Copacabana recomenda:


Se você quer um restaurante família, com preço bom e ambiente aconchegante, vá ao Rincão do Tchê, na rua Domingos Ferreira, esquina com Barão de Ipanema.

Nossas sugestões: Churrasco do Barão, Feijoada e o Cozido servido aos domingos. Todos os pratos são muito bem servidos (três pessoas comem super bem!)

terça-feira, 25 de janeiro de 2011

João Fernandes - La Plage

Búzios é um reduto de argentinos, mas a praia de João Fernandes deve ser o quartel-general deles. Embarcamos no taxi aquático ( R$ 10 por pessoa), no cais da rua das Pedras, em direção à praia dos argentinos. Fomos direto para a pousada, bar e restaurante La Plage. Uma delícia! Cerveja gelada (600 ml), pasteizinhos de camarão, chuveirinho, batatas assadas, mergulhos no mar...
E assim, passamos toda a manhã!
  Búzios: Que céu, que mar, que cores!!!
Praia lotada, mas - no La Plage - o conforto é garantido!
Retornamos para a rua das pedras e fomos direto para o Finlandês ( R$ 5,00 a bola de sorvete), saborear os seguintes sabores Damasco e Manga.  Que Maravilha!!!

"Lá em Vitória pintou uma outra história"

Como diria Moraes Moreira, "...lá em Vitória pintou uma nova história". Desembarcamos para conhecer o Convento da Penha e, para começar, surpresa! Pedimos informação para um guarda municipal, que foi muito solícito, nos explicou como chegar até o local e nos recomendou onde pegar o taxi e que, em Vitória, existe uma tabela fixa para os passeios pela cidade.
Embarcamos em um taxi, pilotado pelo motorista Manuel, que nos levou ao Convento, nos esperou, tirou algumas fotos nossas e nos trouxe de volta ao Porto (tudo isso, por R$ 15 por pessoa).
A parte histórica é muito bonita e bem cuidada, assim como a Catedral Metropolitana que, apesar de estar em reforma, mostra toda a sua beleza.
 Convento da Penha
 Vila Velha
 Marcinha descendo a escadaria da Penha
 No Largo da Catedral
Do alto da Penha, a vista de Vitória

Repetindo o "Chiclete de Camarão" - Imperador do Camarão - Maceió/AL

Desembarcamos em Maceió/AL, pegamos um taxi (R$ 15, do porto até a Pajuçara) e fomos direto para as piscinas naturais da Pajuçara. Na praia, fomos direto para a central dos jangadeiros, pagamos R$ 25 por cabeça, para passarmos algumas horas nas piscinas lotadas.
O que era para ser uma experiência legal, virou uma disputa por espaço, com a maré subindo rápido, ondas entrando e jangadas batendo por todos os lados.
Saímos de lá rapidinho, demos uma volta na praia e fomos para o Imperador do Camarão. Fechamos uma mesa e pedimos o já tradicional "Chiclete de Camarão", que já foi tema de um post aqui, aplaudido por todos.
Vladimir, Janaina, Marcia, eu, Marcelo, Renata, Cristiane e Jorginho (foto do Gabriel).

Grand Holiday - Noite do Comandante e Noche Blanca

Logo na primeira noite de navegação, tivemos o "Coquetel do Comandante". Como sempre, fila para tirar fotos com o Comandante (criadas pela equipe de fotografia e seguidas como gado pela galera embarcada) e depois de uma taça de espumante, assistir a apresentação dos oficiais superiores da embarcação.
O mais interessante da noite foi a descoberta do elenco de bordo, com um trio de cantores ucranianos formidável. Na festa do comandante, o tema do espetáculo foi a Itália. Melhor para quem assistiu!!!

Na nossa opinião, a decepção ficou por conta da tal "Noche Blanca". A ótima ideía acaba perdida, mais pela incompetência dos dj's, que insistiram em mixagens esdrúxulas, desfazendo totalmento o timing de quem estava afim de dançar. Frustação!
Jantar na Noche Blanca - Jorginho, Gabriel, Renata, Marcelo, eu, Marcia e Cristiane
Cristiane e Marcia - Dançando até quando os pratos caiam no chão!

Cruzeiro no Grande Holiday - Ibero Cruzeiros

Vamos lá! Nossa última aventura foi entrar embarcar no Grand Holiday para um cruzeiro de sete noites pelo Nordeste/Sudeste.
Na chegada ao porto do Rio de Janeiro, encontramos filas intermináveis. A sensação era de... mico! Mas, qual o que! As filas eram para os gigantes MSC Música e Costa Serena! Para o Grand Holiday, um navio para "apenas" 1800 passageiros, o embarque foi bem fácil, sem filas, quase privê!
Chegando à nossa cabine, nova surpresa: era ampla, com muitos armários e um bom banheiro (para o padrão cabine com vista externa).
O navio não é dos mais luxuosos. É funcional! A piscina principal é pequena, tem duas piscinas menores (uma delas aquecida, na proa) e duas pequenas jacuzzis.
Em compensação, para quem gosta, tem uma área de sauna e banhos turcos, MUITO BOA, que recomendamos.
No quesito refeições, o Grand Holiday é contrastante. No café da manhã, a disputa por espaço atrapalha saborear os bons pães e doces confeitadas, feitos pelo padeiro de bordo. Um dos melhores é um pão, do tipo caseiro, insequecível, acompanhado por queijos dos mais variados. Em compensação, o café é do tipo solúvel, quase que purgante. Recomendo partir para os sucos...
No almoço, se vc for para o Buffet, repete-se o drama do almoço, por falta de espaço. Já no restaurante mais chique, no caso, o Albaron, a satisfação era garantida.
No jantar, sempre no Alboran, ficamos em uma mesa com dois casais muito simpáticos, que nos garantiu muitos papos e risadas durante essas noites. Garçons e cumins muito atenciosos, boa comida e um vinho espanhol, tipo colonial, que não fez vergonha ( nem o branco, muito menos o tinto).
Desembarcamos em Salvador, já que o cais do porto fica bem próximo do Mercado Modelo, para almoçar no Odoiá, no Pelourinho. Subimos pelo elevador Lacerda (que está com duas cabines desativadas) para dar uma volta e comer aqueles acarajés, abarás e um bobó de camarão que só Salvador pode oferecer.
 No Deck 11, ainda na praça Mauá.
Piscina principal do Grand Holiday

Na volta, demos mais uma passadinha na Fundação Jorge Amado, tomei um cravinho (forte!!!) e descemos de ônibus, apreciando a paisagem ( Praça Castro Alves, Campo Grande, a descida que vai dar no Porto, perto da Igreja de Nossa Senhora da Conceição.
Marcinha no Odoiá (Pelourinho), com a Praça ao fundo. O local é uma esquina do mundo!
Renata, Marcelo, os garçons do Alboran, eu, Jorginho, Cristiane e Marcinha

Búzios - Pousada Águas Claras

Fomos para Búzios no início de dezembro passado. Ficamos hospedados na pousada Águas Claras, que fica próxima da rua das Pedras. Encontrei essas imagens na cãmera para mostrar como o lugar é lindo!
 Área das piscinas e da sauna, um bom lugar para passar a tarde, na volta da praia
Marcinha na sala de estar da Pousada Águas Claras
Recomendamos MUITO. O atendimento foi excelente, o lugar é lindo e muito bem cuidado. Além do mais, é próximo de tudo e, em termos de boas pousadas, o preço é bem legal.